Por que inspirar pelo nariz e expirar pela boca?

Cada atividade física tem um tipo de respiração específica para a modalidade, uma quantidade de consumo de oxigênio e objetivos diferentes, no Pilates não é diferente. Então vamos aos detalhes:

  • MODALIDADE: Pilates
  • TIPO DE RESPIRAÇÃO: Tridimensional

Quando começamos a prática do Pilates a primeira coisa que devemos aprender é sobre a respiração ser ativa. Vamos perceber nosso padrão de respiração com um simples exercício: posicione uma mão no peito e a outra na barriga, sinta se você está mandando mais o ar para a parte superior ou inferior.

Se sentir mais movimento em cima provavelmente você sentirá tensões localizadas na região de ombros e pescoço, se sentir mais em baixo provavelmente você sentirá os abdominais mais relaxados, o que no Pilates fazemos o contrário.

Inspiramos pelo nariz para não tensionarmos a região superior de tronco e expiramos pela boca para atingir melhor ativação da musculatura mais profunda da região central do corpo. Quando inspiramos queremos sentir as costelas se abrindo e elevando mais na região inferior da caixa torácica que é a região da base dos pulmões onde a troca gasosa é mais eficiente e quando expiramos queremos sentir as costelas se fechando e deprimindo.

Expirando pela boca conseguimos acionar os músculos estabilizadores do tronco, principalmente o assoalho pélvico e transverso do abdômen, experimente cerrar levemente os lábios para isso.

No Pilates (generalizando), no momento mais “fácil” nós inspiramos para controlar o movimento e no mais “desafiador” sendo o exercício, básico, intermediário ou avançado nós soltamos o ar, quando precisamos de mais força. Faça aula desta forma e perceba o quanto você economizará de energia, utilize o mínimo de esforço para uma execução segura e eficiente.

Pratique inteligência corporal! 😉

Venha para o Espaço Único! Agende a sua aula agora, clique aqui!

Deixar um Comentário

Seu endereço de email não será publicado.